domingo, 8 de outubro de 2017

Acordar inspirado!

Um palmo abaixo do umbigo
Talvez esteja aí o tema
Caro alentejano amigo
Quero dedicar-te um poema

Não te consigo explicar
Acordei a pensar nisso
Devia estar a sonhar
Com morcela ou chouriço

Não sendo domingo gordo
Posso comer cozido ou assado
Canta bem o Fernando Tordo
Mas não sabe cantar o fado

Acho que vou parar por aqui
Para não dizer mais asneira
Desejo um bom domingo a ti
Está bonita a brincadeira !

sábado, 7 de outubro de 2017

Ambições!

Grande poeta eu gostaria de ser
Talvez escrever os Lusíadas de novo
Ensinar em vez de aprender
E ser admirado pelo nosso povo

Ser maior que o Luís de Camões
Que imortalizou os Descobrimentos
Encher de júbilo muitos corações
Viver uma vida livre de tormentos

Não quis a vida que assim fosse
Para outros feitos fui fadado
Muitas coisas boas me trouxe
Como casar, amar e ser amado!

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Meu rico dinheirinho!

Hoje é terça-feira, há Euromilhões
O que não sonha ser milionário
Contenta-se com alguns tostões
Riqueza não está no seu dicionário

Eu vou ali e já venho
Uma aposta vou fazer
Buscar o que não tenho
P'ra isso vou a correr

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Jogador sem sorte!

Esperando ganhar muito dinheiro
No euromilhões apressei-me a jogar
Só ganhei um pontapé no traseiro
E os meus 20 euros fiquei a chorar!

Que pouca sorte a minha
Pensei cá eu para mim
Mas sou feliz na minha casinha
Com um quintal e jardim

Que cada um se contente
Com aquilo que tem
Basta que experimente
Ser bom e fazer o bem!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Ui, que medo!

Hoje jogou o Porto
E com grande genica
Vejo o futuro muito torto
Para o lado do Benfica

E jogaram muito bem
Deram-lhe três a zero
Que ganhe o Benfica também
É só isso que eu quero.

Que não lhe tremam as pernas
Dentro do campo, no relvado
Enquanto nós nas tabernas
Entornamos o copo e cantamos o fado!

Em noite ce Champions!!!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Pensando em verso!

O jogo do Benfica
para a taça
ontem, no estádio da Luz
foi uma desgraça!
Foi melhor
a equipa do Braga
para os benfiquistas
uma verdadeira praga!
Como o fizeste até agora
aguenta coração
se queres que o meu Benfica
seja outra vez campeão!

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Toma e embrulha!

Do que me havia de lembrar
Poderia estar bem contente
Se para meu grande azar
Não me doesse um dente!

Que mais me irá acontecer
Um dente já foi à vida
O outro faz-me ferver
A boca toda dorida

Um dia há-se passar
Como passa tudo o resto
Quem quer ir vindimar
Leva a tesoura e o cesto.

E mais não digo
Porque mais não sinto
Aquilo a que mais ligo
É a um copo de tinto!

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Eu, pobre poeta!

Tenho um amigo alentejano
À força me quer ver poeta
É insistente aquele magano
Pois cá vai um poema da treta

Para versos tenho pouco jeito
Canso-me para os amanhar
Não nascem quando me deito
Nem tão pouco ao levantar

Já que muito insistes
Estas três quadras te deixo
Esperando que tu gostes
Como se eu fora o Aleixo!

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Matemática poética!


Sete e sete são quatorze
Com mais sete vinte e um
Tirando-lhe nove ficam doze
Se juntar dez faz trinta e um

Isto é para animar o Eduardo
Que se refugiou na poesia
Para não caçar o pio-pardo
Nem de noite nem de dia

Pio-pardo ou gambozino
Para mim tanto se me dá
Eduardo põe-te fino
Boa noite, até amanhã!

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Já dei com o gato!

Os teus comentários recebi
Na minha caixa do correio
O meu erro já corrigi
O que escreves eu já leio

Está assim como eu gosto
As palavras nada escondem
Como o vinho vem do mosto
E alegra a alma do homem

Hoje deu-me p'ra isto
Se bebo fico uma naça
Já levantei as mãos a Cristo
Quando andei pelo Niassa!

sábado, 2 de setembro de 2017

A persistência do Eduardo!

Desde 4 de Abril
A 26 de Julho
32 toques levei
Na boca meti um tapulho
Na cabeça um funil
E só hoje acordei!

Quem me dera ser poeta
Escrever tudo a rimar
E abrir a porta à Berta
Quando ela à porta chegar!

Não sendo poeta afinal
Fico-me pela minha prosa
A dar bronca há muito animal
É bela a minha prima Rosa!

E não acrescento mais nada
Triste por aqui me fico
A criticar a cambada
Que mija fora do penico!

Ao abandono!

Corre célere, a caminho do fim
Este ano de dois mil e dezassete
E eu poucas vezes aqui vim
Três e com esta são quatro apenas
Se fossem somadas dariam sete
Faço quadras não quinas nem senas!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Matemática!

Quem 60 ao teu lado
e 70 por ti,
vai certamente rezar 1/3
para arranjar 1/2
de te levar para 1/4
e ter a coragem de te dizer:
20 comer!!!

sábado, 1 de abril de 2017

Visita de médico!

Grande poeta é o povo
Diz a gente com razão
Frágil é a casca do ovo
E forte a garra do leão!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Olá!

Um ano e um dia já se passou
Desde a última vez que aqui vim
Sem nuvens no céu o sol brilhou
Enviou um raio de luz para mim !

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

De um poeta que não sou eu!

Poetas... há muitos
Mas bons, são poucos
Cada um puxa pelos trunfos
Neste mundo de loucos

E, se com a sua poesia
Conseguir chegar à meta
Deste idiota em demasia
Já valeu ser poeta

Oh povo, não sejamos anedotas
Porque eles enchem o bornal
Fingem que são patriotas
E... desgraçam Portugal...

domingo, 17 de janeiro de 2016

Votos de Ano Novo!

Há coisas que já não dão!
para serem recicladas
como as pétalas perfumadas
já murchas, caídas no chão.


Ano Novo, vida nova,
que não seja mais uma ilusão
fazem parte da vida enganosa
mágoas deixadas no coração!


lágrimas caídas no escuro,
dos olhos, na terra quem as deixou
esperamos que nos traga o futuro
melhor do que para trás ficou!

(Edumanes)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Caralhotas de Almeirim!

Bom dia, bom domingo
e boa disposição,
muita saúde e alegria
sorriam, porque eu não minto
obrigado pela vossa simpatia.
Até poderia ter sido, 
mas, anedota, não foi não
porque foi verídico,
como eu vos vou contar.
Assim foi exactamente.
não foi por engano
fui ali ao Continente,
no último dia do velho ano.
Na charcutaria 
comprei chouriço de Garvão,
comprei na garrafeira
vinho tinto da Vidigueira
e na padaria comprei pão,
dois redondos e um comprido são,
disse a padeira sorridente para mim,
Caralhotas de Almeirim!
(Edumanes)

quarta-feira, 5 de março de 2014

Um Portugal novo!

Diz-se que há mar e mar
E também há em Portugal
Muitos políticos sem igual
Verdadeiros artistas a roubar

Digo ao mar e ao mundo
Que matar não me apraz
Mas pela Pátria seria capaz
De os meter todos no fundo

Vou cantar à Liberdade,
Vou pela Justiça rezar
Mas não posso perdoar
Quem faz tanta maldade

Continuar assim, não
Conhecemos os traidores,
Engravatados doutores
Que nos roubam o pão

A voz do nosso povo,
No dia do julgamento
Porá um fim ao tormento
Teremos um Portugal novo!